Recortes...


Com regularidade me surpreendo tentando entender do que é feita a ciência e de qual matéria-prima se constituí a pesquisa, seu alimento. Mas “sobre esses ocultos assuntos nada se pode dizer”, como escreveu certa vez Mário Quintana, falando das coisas do mundo.


De fato, “quase” nunca tenho as repostas. Este “quase” fica por conta dos raros momentos em que, mergulhada em certas vivências, me pego crente na certeza irrepreensível (ao menos, por mim mesma), de que tanto a ciência quanto a pesquisa são, sobretudo, olhares, ora atentos e graves, ora ligeiros e despretensiosos. Recortes e enquadramentos através dos quais percebemos e entendemos a coisa do real. Por isso, quando percorro determinados trajetos, em especial, àqueles que atravessam o meu fazer pesquisador, costumo querer uma máquina fotográfica por perto. O objetivo? Revisitar o meu olhar, olhar por mim de fora, mudar o modo contínuo com que me acostumei a ver.
>


A fotografia é bem mais do que só um instrumento de pesquisa. Ela é o próprio discurso do investigador!


Através dos saltos entre a barreira do tempo e do espaço, o fotógrafo seleciona quais os fragmentos do real quer codificar e lhe dá um tratamento estético. Em outras palavras, ele faz escolhas, selecionando aquilo que quer dizer (pelo que inclui e também pelo que deixa de fora da imagem construída). São estas opções que o revelam como um sujeito histórico e, por conseguinte, político, pois tais registros evidenciam o nível de sua consciência sobre este real, potencializando sua ação na perspectiva de transformar ou preservar a cena que vê.

Todo essa reflexão, assim como aquela certeza de que falei no início deste texto, passaram por mim, quando, no início desta semana, fomos ao bairro Donária. Nosso propósito era conhecer para contar, em forma de documentário, a história do lugar. Tratava-se (e ainda se trata) de revelar novos e velhos significados de um mesmo momento, tentado apanhá-los dependurados na corrente do cotidiano. Esta visita rendeu alguns registros, representações impregnadas de um significado intuído, mas inteiramente desconhecido por nós. Talvez por isso não sejam resultados satisfatórios, mas manifestações precoces de um processo investigativo, ou ainda, da necessidade de aprender a ver o que não está dito nas falas e nas cenas com as quais nos deparamos durante toda aquela manhã.

Por ora, só posso dizer que, na minha leitura, as fotografias deste curto percurso evidenciaram a proposição de tecer um elo entre o que há e o que achamos que há...



Pessoas, pessoas e pessoas que vivem mesmo ignoradas e anônimas. Quão peculiar é seu olhar sobre o mundo e, quão grosseiro ainda é, o nosso olhar sobre elas.

posted under |

0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
    ****

    "ao reescrever o que dissemos, protegemo-nos, vigiamo-nos, riscamos as nossas parvoíces, as nossas suficiências (ou insuficiências), as hesitações, as ignorâncias, as complacências; [...] a palavra é perigosa porque é imediata e não volta atrás; já a scriptação tem tempo à sua frente, tem esse tempo próprio que é necessário para a língua dar sete voltas na boca; ao escrever o que dissemos perdemos (ou guardamos) tudo o que separa a histeria da paranóia" (BARTHES, 1981, p.10).

    ****

quem é a garota da vitrine?

Minha foto
Sou formada em Radialismo e Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo e desde 2004 atuo como professora dos cursos de Comunicação Social na mesma instituição. Ainda na UPF, fiz especialização em Leitura e Animação Cultural, e recentemente concluí o doutorado pela PUCRS. Sempre trabalhei com o universo radiofônico, pelo qual sou apaixonada. Gosto particularmente das suas aproximações com a arte. Minhas últimas descobertas de pesquisa rondam em torno da produção de sentido (em nível verbal e não-verbal) sob a perspectiva semiológica.

****

pelo caminho...

lendo... só lendo e imaginando uma história da nossa suposta história...

Eu, robô de Isaac Asimov

de Brenda Rickman Vantrease sobre os poderes que se interdizem desde o início dos tempos.

****

velhos escritos

o que são scriptografias e outras escrivinhações?

O título deste blog foi inspirado nas observações feitas por Roland Barthes a cerca do processo de produção e significação dos textos que circulam pela prática social. Ele fala em scriptação, escrita, escritor e escrevente. No entanto, o nome scriptografias e outras escrivinhações, não passa de uma "licença" poética, por assim dizer, com o objetivo de nominar um espaço de livre expressão, em formatos e temas que fazem parte do meu cotidiano, assim como do cotidiano de quem por aqui passar.
    hola !


    Seguidores

    Super Oficina

    A lista de links que vocês está vendo abaixo, refere-se aos blogs criados pelos meus alunos, da 7ª e 8ª série, da Escola Baltazar de OLiveira Garcia, em Porto Alegre. A oficina durou 04 encontros, durante os quais buscamos conhecer e dominar as ferramentas da internet e as plataformas que hospedam blogs. A proposta era criar um oportunidade de autonomia na produção de conteúdo no espaço online.

Recent Comments