Achismos

Domingo, 19 de abril de 2009.
Postado por Bibiana Friderichs às 15:48.
m
m
Um texto de achismos,
sem fundamentação teórico-metodológica:
é mesmo só o que eu acho!

Tenho ouvido e lido muito sobre as tecnologias que rondam nossa orbe pós-moderna. (Sim eu gosto desse conceito, apesar da ironia com que o trata meu amigo César Augusto). Acredito que somos personagens de um mundo hiper, fluído e excessivo. Mais do que isso: adoro as cores, os traços e as texturas da arte produzida neste tempo. Gosto mesmo, mais do que qualquer Mona Lisa e afins. Mas, calma, não estou falando “exatamente” de arte. Estou falando apenas de gosto, do meu gosto para a arte.

Também já não acho mais que os filmes de ficção científica, sobre figuras andrógenas, cibórgs e máquinas do tempo, sejam apenas “de” ficção. Penso que uma nova leitura e percepção da realidade está sendo delineada diante de nós, e não a compreendemos bem porque é muito difícil olhar ao redor, por dentro, para confiscar uma expressão do mundo em movimento, e, portanto, mutante. Parece mais fácil olhar para trás. Mas talvez só pareça, o problema são todas as nossas limitações.

Há três semanas comecei a ler com meus alunos o livro da Santaella sobre o pós-humano, a arte e a cultura. Discutir tal complexidade nos exigiu um olhar atencioso sobre a dinâmica das transformações culturais a que estamos sujeitos e, particularmente, a presença da tecnologia nesse processo diacrônico. Como disse Castells (1999, p.44), não podemos pensar a sociedade como produto das inovações tecnológicas, da mesma forma que não podemos compreendê-la sem nos perguntarmos o que ela faz com a tecnologia que desenvolve:

Sem dúvida a habilidade ou inabilidade de as sociedades dominarem a tecnologia e, em especial, aquelas tecnologias que são estrategicamente decisivas em cada período histórico, traça seu destino, ao ponto de podermos dizer que, embora não determine a evolução histórica e a transformação social, a tecnologia (ou sua falta) incorpora a capacidade de transformação das sociedades, bem como os usos que as sociedades, sempre em processo conflituoso, decidem dar ao seu potencial tecnológico.

Durante nossas discussões, a partir do texto da autora, observei que talvez por carregarmos um montante significativo de bagagem cultural trazida do século passado, ou seja, por nos sentirmos ainda modernos, tenhamos certa dificuldade em reconhecer e aceitar os então “revolucionários” modos de ler e contar o mundo, mais do que isso, as outras formas de sociabilidade que involuntariamente acabamos por instituir, e assim também, as identidades engendradas ao longo desse processo.

E mesmo apropriando-se e criando rapidamente uma outra semiose para o mundo, demoramos a entender que é preciso abrir mão de uma perspectiva pouco polissêmica da realidade, e as vezes largar no meio do caminho as nossa muletas, esquecer de certos pré-conceitos pré“sentidos”, perder parte da memória (um processo natural e saudável, como li na SuperInteressante).
m
Quem sabe, para aceitar o novo, precisaremos cometer alguns assassinados (não ignorar o passado, mas ciente dele e da trajetória que percorremos até aqui, deixá-lo para lá), seguindo a máxima Darwiniana (só para relembrar o 150 anos da teoria da seleção natural).

- Vc é homo sapiens? Não? Então toma isso, e isso e mais isso! (he he he...a frase é um subtexto da Ana, e a cena em que ela disse isso foi hilária, mas perspicaz).

1 comentários:

"Inquieta" disse...

e viva os blogs!

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
    ****

    "ao reescrever o que dissemos, protegemo-nos, vigiamo-nos, riscamos as nossas parvoíces, as nossas suficiências (ou insuficiências), as hesitações, as ignorâncias, as complacências; [...] a palavra é perigosa porque é imediata e não volta atrás; já a scriptação tem tempo à sua frente, tem esse tempo próprio que é necessário para a língua dar sete voltas na boca; ao escrever o que dissemos perdemos (ou guardamos) tudo o que separa a histeria da paranóia" (BARTHES, 1981, p.10).

    ****

quem é a garota da vitrine?

Minha foto
Sou formada em Radialismo e Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo e desde 2004 atuo como professora dos cursos de Comunicação Social na mesma instituição. Ainda na UPF, fiz especialização em Leitura e Animação Cultural, e recentemente concluí o doutorado pela PUCRS. Sempre trabalhei com o universo radiofônico, pelo qual sou apaixonada. Gosto particularmente das suas aproximações com a arte. Minhas últimas descobertas de pesquisa rondam em torno da produção de sentido (em nível verbal e não-verbal) sob a perspectiva semiológica.

****

pelo caminho...

lendo... só lendo e imaginando uma história da nossa suposta história...

Eu, robô de Isaac Asimov

de Brenda Rickman Vantrease sobre os poderes que se interdizem desde o início dos tempos.

****

velhos escritos

o que são scriptografias e outras escrivinhações?

O título deste blog foi inspirado nas observações feitas por Roland Barthes a cerca do processo de produção e significação dos textos que circulam pela prática social. Ele fala em scriptação, escrita, escritor e escrevente. No entanto, o nome scriptografias e outras escrivinhações, não passa de uma "licença" poética, por assim dizer, com o objetivo de nominar um espaço de livre expressão, em formatos e temas que fazem parte do meu cotidiano, assim como do cotidiano de quem por aqui passar.
    hola !


    Seguidores

    Super Oficina

    A lista de links que vocês está vendo abaixo, refere-se aos blogs criados pelos meus alunos, da 7ª e 8ª série, da Escola Baltazar de OLiveira Garcia, em Porto Alegre. A oficina durou 04 encontros, durante os quais buscamos conhecer e dominar as ferramentas da internet e as plataformas que hospedam blogs. A proposta era criar um oportunidade de autonomia na produção de conteúdo no espaço online.

Recent Comments